Mariana Vieira da Silva, ministra do Estado e da Presidência, na entrevista no Jornal das 8, da TVI, disse que nesta segunda fase de desconfinamento têm sido feitos "cada vez mais testes" e, no entanto, "temos menos positivos percentualmente".

Portugal tem indicadores que permitem dar este passo de desconfinamento", afirmou.

São eles a estabilização da evolução da pandemia, a redução do nível de utilização do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e o reforço e uma capacidade grande de testagem à Covid-19.

Sobre a hipótese de se voltar a implementar medidas de confinamento, a ministra descartou de alguma forma esse cenário, dizendo que os níveis de transmissão se têm mantido equivalentes àqueles que foram registados antes do desconfinamento e que o número de pessoas nos cuidados intensivos, bem como o número de vítimas mortais tem diminuído.

Na entrevista conduzida por Pedro Pinto e Miguel Sousa Tavares, a ministra do Estado e da Presidência afirmou que o Governo quer incentivar os portugueses a regressar à normalidade, que não vai ser igual, e que assim vai permanecer pelo menos até existir uma vacina eficaz disponível.

Jantávamos numa sensação de proximidade de que em qualquer mesa cabia sempre mais um e tudo isso mudou".

Mariana Vieira da Silva disse ainda que há condições para ir à praia, desde que essa atividade seja feita em segurança, relembrando que não existe risco de contágio nem no mar, nem na areia.

É preciso criar uma sensação de segurança e criar a confiança nas pessoas".

Mariana Vieira da Silva assegurou que o objetivo do Governo foi sempre encontrar medidas e restrições razoáveis e deixou claro que o Executivo continua a trabalhar, neste mês de maio, em novas medidas.

Fronteiras terrestres com Espanha encerradas

Foi decidido em Conselho de Ministros, na passada quinta-feira, de que as fronteiras entre Portugal e Espanha iriam permanecer encerradas até dia 15 de junho. Questionada sobre se os emigrantes teriam a possibilidade de regressar ao seu país de origem, a ministra garantiu que sim.

As possibilidades que os emigrantes possam regressar a Portugal existem e existiram durante todo este período (...) A pessoa não vai para Espanha, a pessoa vai atravessar Espanha para vir para Portugal".

Explicou que o encerramento das fronteiras terrestres serve essencialmente para impedir que os portugueses decidam ir passar um fim de semana a Madrid ou vice-versa.

Medidas pós lay-off

Sobre a disponibilidade do Governo em prolongar o regime de lay-off, ou criar exceções para que alguns setores possam usufruir da medida durante mais tempo, Mariana Vieira da Silva esclareceu que mesmo com o fim do lay-off, previsto para junho, o Governo está a trabalhar na elaboração de outros apoios para o recomeço da atividade empresarial.

Fez ainda a distinção entre apoios para quando a economia está parada e os apoios para quando a economia está a recuperar.

Cláudia Évora / Atualizada às 22:25