“A declaração de ontem do Presidente da República constitui um momento tão inédito quanto lamentável da nossa vida democrática. O conteúdo e a linguagem dessa declaração revelam uma total ausência de imparcialidade e isenção e denunciam um entendimento abusivo das funções presidenciais.”




“Num momento de compromisso e de unidade da maioria, o Presidente só pensa em dividir. O Presidente da República mostrou que não é, nunca foi e não quer ser o Presidente de todos os portugueses.”