O governo regional da Madeira decidiu suspender os voos com origem em países com casos confirmados de coronavírus e onde se verifica a transmissão ativa do vírus. O anúncio foi feito esta sexta-feira pelo presidente regional da Madeira, Miguel Albuquerque. 

Temos de fazer tudo o que é possível para evitar qualquer contágio. Nesse sentido, é um imperativo ético da minha parte determinar a cessação das operações de ligação aérea com origem em todos os países com casos positivos e referenciados pela OMS com transmissão comunitária ativa o mais rapidamente possível. E essa cessação devia acontecer no prazo de sete dias até nova avaliação", afirmou o presidente do governo regional, Miguel Albuquerque.

Os países afetados por esta suspensão de voos são a Dinamarca, França, Alemanha, Suíça e Espanha.

Outra medida anunciada para fazer face à pandemia de Covid-19 é o controlo da temperatura a todos os passageiros que cheguem aos aeroportos do arquipélago.

Todos os passageiros embarcados nos nossos aeroportos é medida a temperatura e um inquérito é rigorosamente preenchido", acrescentou o governante.

O governo regional anunciou ainda uma linha de apoio à economia regional no valor de 75 milhões de euros.

Miguel Albuquerque salientou, nesta conferência de imprensa, que "está primeiro a saúde" e depois a economia.

Na Região Autónoma da Madeira, não há registo oficial de qualquer caso de infeção por Covid-19. As autoridades indicaram que há "quase uma centena de pessoas" que estão a ser acompanhadas de acordo com as regras previstas.

O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 5.000 mortos em todo o mundo, levando a Organização Mundial de Saúde (OMS) a declarar a doença como pandemia.

O número de infetados ultrapassou as 134 mil pessoas, com casos registados em mais de 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 112 casos confirmados.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) atualizou hoje o número de infetados e registou o maior aumento num dia (34), ao passar de 78 para 112, dos quais 107 estão internados.

/ SS - atualizada às 19:13