"Penso que é possível fazer um trabalho de cooperação com as autarquias e com a sociedade civil, com os agentes económicos, nomeadamente ao nível da hotelaria, do turismo e de outras áreas, para valorizar o nosso património cultural como uma das marcas da nossa identidade histórica e da nossa afirmação num plano de economias cada vez mais competitivas", afirmou João Soares.


"Mas também no plano estritamente pessoal, enquanto ex-autarca de Sintra na oposição, trata-se de um momento afetivo muito particular, por isso é que fiz questão de passar por aqui muito brevemente, correspondendo a um convite que me honrou muito do senhor presidente Basílio Horta", acrescentou João Soares, assumindo o retorno à vila "com grande prazer" e uma "pontinha de emoção".




"O Património Mundial preserva-se, mas vive-se. Para se preservar temos de ter políticas próprias e a câmara aí tem um papel muito importante, em conjunto com a [sociedade] Parques de Sintra-Monte da Lua", frisou o autarca.