O ministro da Defesa garantiu que «o Governo está coeso» e que o CDS está «tranquilo» com a forma como o primeiro-ministro pretende fazer a reforma do Estado.

«Estamos apostados em conseguir levar a bom porto tudo o que é preciso fazer em termos de reforma de Estado», garantiu José Pedro Aguiar-Branco.

Questionado sobre se as declarações de domingo do líder do CDS, Paulo Portas, podiam por em causa a coligação do Governo, Aguiar-Branco respondeu ainda que «o senhor primeiro-ministro referiu as condições em que essa discussão ia ser feita [e] portanto estamos tranquilos».

«A reforma de Estado está em discussão e, a seu tempo no ministério da Defesa, acontecerá aquilo que acontecerá em todos os outros setores e que foram anunciados», esclareceu o ministro da Defesa que durante este mês «será conhecido em todos os setores aquilo que tem a ver com o orçamento retificativo».

Aguiar-Branco foi ainda questionado sobre o processo de promoções nas forças armadas que disse estar «estar em curso». E às críticas feitas pela Associação de Oficiais das Forças Armadas sobre um processo «kafkiano e inaceitável» sobre as promoções e a obrigar os militares a pagarem «indemnizações milionárias» para abandonar a instituição, o ministro apenas disse: «Não respondo a esse tipo de acusações.»
Redação