É preciso olhar para os 1,8 milhões de portugueses em situação de pobreza, pediu Marcelo Rebelo de Sousa, este sábado, ao mesmo tempo que insistiu ser necessário adotar medidas como a criação do estatuto do cuidador informal.

Numa intervenção no Palácio de Belém, onde recebeu a “Luz da Paz”, uma iniciativa em Portugal da Cáritas e dos Escuteiros, Marcelo Rebelo de Sousa reafirmou a necessidade da criação desse estatuto, depois de já o ter feito em novembro passado, quando considerou ser uma causa que “merece o esforço de todos”.

É uma causa que é nacional”. 

Numa mensagem publicada na página da Presidência da República na Internet a propósito do Dia do Cuidador, também faz notar que reúne o apoio de todos os partidos e que, da sua parte, continuará a defender “até que seja uma realidade”.

Recorde-se que, a meio de dezembro, o Governo deixou cair o estatuto do cuidador informal da lei de bases da saúde. Um pedido feito por várias associações da sociedade civil que reclamam o apoio do Estado para quem cuida dos outros sem qualquer tipo de ajuda.

Por essa altura, em Coimbra, o Presidente disse de novo que é um defensor do cuidador informal, frisando: “O fundamental é que haja um estatuto para o cuidador informal” em Portugal. 

Hoje, no Palácio de Belém, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a referir-se ao tema, acrescentando que também são necessárias medidas para apoiar os que não podem sair de casa, referindo-se ao apoio domiciliário.

Na curta cerimónia no Palácio de Belém o Presidente recebeu a “Luz da Paz”, uma vela, que simboliza uma mensagem de paz, de amor e de solidariedade, pelo Corpo Nacional de Escutas e pela Cáritas, uma organização da Igreja Católica.

Eugénio Fonseca, presidente da Cáritas, explicou a iniciativa (que começou na Áustria em 1986) e lamentou que ainda não se difundam regularmente informações sobre as situações de carência atendidas pelos serviços públicos e privados de ação social e pelo voluntariado social de proximidade

O responsável referiu dados de 2017 que dão conta que 18,3% dos portugueses vive em situação de pobreza. E apelou a que os portugueses coloquem a partir das 20:00 de segunda-feira uma vela na janela ou varanda de suas casas, por um mundo com mais justiça e solidariedade.

"Respeitar a dignidade das pessoas"

Marcelo Rebelo de Sousa falou também da necessidade de um mundo mais justo e solidário e, referindo-se a Portugal e aos seus 1,8 milhões de pessoas em situação de pobreza afirmou que não há paz onde há pobreza, desigualdade, injustiça, intolerância e incompreensão.

Sem uma “mudança apreciável” da parte de todos para enfrentar o problema o risco de pobreza e das desigualdades vai continuar, disse o Presidente, acrescentando:

Enquanto não formos capazes, como país, de enfrentar este problema, a paz é um sonho mas não é uma realidade”.

E a dois dias do Natal, Marcelo Rebelo de Sousa disse que o seu pensamento vai nesta quadra para os sem abrigo, sem família, os que estão detidos ou hospitalizados, que também têm “direito ao Natal mas que não têm Natal”.

Salientando que o desafio central é “respeitar a dignidade das pessoas”, Marcelo Rebelo de Sousa disse que hoje os seus pensamentos não vão para os que têm um Natal privilegiado, nem para os que têm um Natal possível, mas sim para os que “não têm Natal nenhum”.