O autarca e dirigente do CDS-PP Nuno Lima Mayer Moreira, filho do antigo presidente centrista Adriano Moreira, morreu na quarta-feira, aos 47 anos, "vítima de doença súbita", informou o partido.

Nuno Lima Mayer Moreira era vogal do Conselho Nacional de Fiscalização, tendo sido também membro do Conselho Nacional e do Conselho Nacional de Jurisdição do CDS.

Nas eleições autárquicas de 2017 foi candidato à Junta de Freguesia da Ajuda, em Lisboa, onde era autarca na assembleia de freguesia.

Já nas últimas eleições legislativas, foi cabeça de lista do CDS-PP pelo círculo de Bragança.

Através de uma publicação na rede social Facebook, o presidente do partido, Francisco Rodrigues dos Santos, refere ter recebido a notícia da morte de Nuno Moreira "com profunda consternação e tristeza".

O Nuno foi um Homem seriamente devoto dos seus valores muito certos, militantemente apaixonado por causas que valiam a pena, com uma forma elevada, digna e simples de se partilhar com os outros", salienta, realçando igualmente que foi "um militante, dirigente e autarca a toda a prova, imbuído de uma energia e entrega contagiantes".

Num voto de pesar que deu entrada na Assembleia da República, os deputados do CDS-PP recordam Nuno Lima Mayer Moreira como "uma pessoa de trato afável e de convicções fortes", um "homem bom e uma personalidade fortemente marcada pela Democracia Cristã".

Deixa a quem com ele conviveu a memória da sua alegria, da sua generosidade, da sua disponibilidade, da sua vontade de ajudar e de fazer", escreve o grupo parlamentar, destacando igualmente que "foi sempre um militante empenhado do CDS, e todos os que com ele contactaram puderam testemunhar o seu entusiasmo contagiante".

No texto, o partido manifesta "profundo pesar e consternação" pela morte de Nuno Lima Mayer Moreira e apresenta condolências à família, "com um abraço sentido à irmã", a deputada socialista Isabel Moreira.

Nuno Lima Mayer Moreira "era licenciado em História e pós-graduado em Cultura Portuguesa, foi professor, assistente universitário e empresário por conta própria, sendo atualmente técnico superior de arquivo na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa", recorda o grupo parlamentar, notando que presidia também à ALMA – Associação Lima Mayer para as Artes.

Também nas redes sociais, a ex-líder do CDS Assunção Cristas lamentou a morte de Nuno Moreira, "de forma tão abrupta e desconcertante", uma pessoa com "entusiasmo e alegria sempre contagiantes".

Estivemos juntos em todas as batalhas eleitorais desse período", assinala.

 

Do Nuno, lembrarei sempre a sua dedicação à causa pública e ao CDS, desde logo, em 2017 na forma apaixonada como abraçou a candidatura à Junta de Freguesia da Ajuda e depois a dedicação no cumprimento do seu mandato de eleito de freguesia; e ainda em 2019, na generosidade com que encabeçou a lista de Bragança, mesmo sabendo que seria uma eleição pouco provável", frisa Assunção Cristas.

 

Devo-lhe a amizade, o apoio incondicional, a lealdade permanente. O seu carinho perdurará e a minha gratidão também", acrescenta.

/ HCL