O ex-dirigente do PCP Carlos Costa, um dos protagonistas, com Álvaro Cunhal, da fuga de Peniche, morreu hoje em Portimão aos 93 anos, confirmou à Lusa fonte partidária.

Carlos Costa nasceu em 28 de março de 1928, em Fafe, viveu no Algarve nos últimos anos e morreu no hospital de Portimão, distrito de Faro.

Aderiu ao PCP com apenas 15 anos, foi preso pela primeira vez em 1948, aos 20 anos, o que levou o histórico comunista a conhecer grande parte das prisões do Estado Novo, totalizando 15 anos de encarceramento.

Em 03 de janeiro de 1960, numa altura em que cumpria uma pena de 10 anos de prisão, Carlos Costa foi um dos protagonistas da célebre fuga do forte de Peniche, em que nove membros do PCP, incluindo Álvaro Cunhal, escaparam da prisão de alta segurança.

De regresso à clandestinidade, Carlos Costa é eleito no mesmo ano membro do Comité Central do PCP, cargo que manterá até 2008, e tornar-se-á responsável pelo laboratório de falsificação de documentos do PCP, pelas tipografias centrais e pela organização responsável pelas passagens clandestinas pela fronteira.

Entre 1974 e 1989, subiu à Comissão Política do Comité Central do PCP, e, entre 1976 e 1987, é cabeça de lista pelo PCP em todas as coligações para a Assembleia da República pelo círculo do Porto.

Casado com a antiga dirigente comunista Margarida Tengarrinha, Carlos Costa foi ainda membro do Secretariado do Comité Central do PCP entre 1975 e 1990.

PCP recorda Carlos Costa pela sua “dedicação e entrega na resistência ao fascismo”

 O PCP recordou hoje o ex-dirigente Carlos Costa, que morreu aos 93 anos, pela sua “dedicação e entrega na resistência ao fascismo”, salientando que o histórico comunista consagrou a sua vida “em defesa dos interesses dos trabalhadores”.

Carlos Costa deixa-nos recordações da sua dedicação e entrega na resistência ao fascismo, pela democracia e o socialismo”, lê-se numa nota do Partido Comunista Português.

No comunicado, o PCP relembra que Carlos Costa, nascido em 1928, “aderiu ao PCP em 1943, ainda muito jovem”, tendo-se destacado “como militante e dirigente comunista” e “exercido as mais diversas tarefas e responsabilidades”.

O partido relembra ainda que Carlos Costa consagrou o “essencial da sua vida à luta em defesa dos interesses dos trabalhadores e do povo, contra o fascismo, pela liberdade e a democracia, pelo socialismo”.

Entre as notas biográficas que constam no comunicado, o PCP salienta que Carlos Costa foi “um dos fundadores do MUD Juvenil, tendo sido membro da sua Comissão Central”, e relembra que entrou “na clandestinidade como funcionário do PCP” em 1951.

/ RL