"Haverá, com certeza, um princípio relativamente conservacionista tomando em consideração a situação atual do país", sustentou Azeredo Lopes aos jornalistas.


"O processo politico de discussão sobre quais vão ser os ‘plafonds' do Orçamento ainda agora se iniciou e, portanto, não vou antecipar nem estabelecer previsões que depois podia não vir a cumprir", assinalou.


Redação