No espaço semanal de opinião, Manuela Ferreira Leite abordou vários temas da atualidade.

"Retiraria ou um otimismo incomensurável ou algo que está absolutamente fora da realidade. E esse fora da realidade traduz-se em constatações que o primeiro-ministro faz e que evidentemente está em campanha eleitoral", começou por dizer, relativamente à entrevista feita por Miguel Sousa Tavares a António Costa.

"Na boca do primeiro-ministro, o País está a crescer", continuou a comentadora, considerando desajustada a visão de António Costa face à atual situação que o País atravessa. 

Relativamente à possibilidade avançada por Costa de haver alterações nos escalões do IRS, Ferreira Leite rematou que "significa tanto como estar calado. Anunciar que está a estudar em altura eleitoral, não é nada".

Debate entre Fernando Medina e Carlos Moedas

Também esta semana ficou marcada pelo debate entre Medina e Moedas, ambos candidatos à presidência da câmara municipal de Lisboa. "Não analiso na base da vitória e da derrota", começou por dizer, explicando que já passou por vários debates.

"Ligo muito pouco à forma. A forma às vezes tem a ver com treino. Há quem receba aulas de como estar num debate, há truques. Acho que se percebe que são dois perfis completamente diferentes", disse Manuela Ferreira Leite, explicando que Medina estará mais direcionado para o lado político. 

"Enquanto para o doutor Fernando Medina, um combate para a câmara é um combate político, para o engenheiro Carlos Moedas não é um trampolim. Quando aparece um político muito diferente do que os que geralmente se criticam, acho que é uma lufada de ar fresco e é pena que não aproveitem.", explicou.

"Tenta apoiar as pessoas, mas não lhes apresenta nenhum futuro", disse Manuela Ferreira Leite, considerando que é isso que representa Fernando Medina.

A economista considerou que Moedas poderá não ter explicado bem o seu projeto para Lisboa no último debate porque "não usa truques, é sincero".