«Como é possível, nos dias de hoje, num regime democrático, um Governo ainda nomear um comissário político, com um ordenado de 14 mil euros, para desempenhar funções dirigentes num organismo que se define, exactamente, pela imparcialidade, pela independência e pela tecnicidade das suas decisões?»