O ministro da Economia disse esta quinta-feira que o Governo ainda não foi notificado da providência cautelar apresentada pelos advogados dos proprietários de casas do empreendimento Zmar, em Odemira, contra a requisição temporária do complexo para alojamento de migrantes.

“O Estado ainda não foi notificado da providencia cautelar e agirá em conformidade com a decisão do tribunal”, disse Pedro Siza Vieira, numa conferência de imprensa, após a reunião do Conselho de Ministros que decorreu hoje em Lisboa.

De acordo com o ministro, em Odemira, “muitas das pessoas expostas a contactos de risco têm dificuldade de assegurar na proximidade alojamento para isolamento”.

Fizemos levantamento de instalações existentes e, além da pousada [da juventude], havia o parque de campismo muito conhecido que estava fechado”, disse.

De acordo com Pedro Siza Vieira, o Governo “sugeriu a utilização de ‘bungalows’ existentes” ao administrador de insolvência do Zmar Eco Experience, “mas não foi possível acordo”.

Então, acrescentou, foi decidido “proceder à requisição do equipamento, tendo em conta a lei de base de saúde pública”.

Pedro Siza Vieira acrescentou também que o Governo “está disponível para acertar um valor pelas diárias fixadas”.

“O que mais desejamos é a normalização da situação sanitária para o mais breve ser possível o levantamento da cerca sanitária”, salientou.

/ HCL