A ex-primeira-ministra do Paquistão Benazir Bhutto pediu nesta terça-feira a renúncia do presidente paquistanês, o general Pervez Musharraf, em entrevista por telefone ao canal britânico Sky News concedida na residência em que ela se encontra em prisão domiciliária.

«Afirmamos que Musharraf deve sair. Acabou a época da ditadura», afirmou Bhutto na residência de um líder de seu partido em Lahore (leste do país), local cercado pela polícia, que a mantém em prisão domiciliar para impedir sua presença numa «longa marcha» de protesto contra Musharraf, escreve a AFP.

A residência está cercada por mais de 1.100 polícias, assim como os acessos à casa. Para garantir que Bhutto não deixa o local e nem recebe visitas, as forças de segurança utilizaram arame farpado e barreiras de madeira.

Bhutto pretende organizar uma «longa marcha» de Lahore a Islamabad para protestar contra o estado de excepção e pedir a renúncia de Musharraf, mas o protesto foi proibido, a estrada bloqueada e a líder de oposição colocada em prisão domiciliar.

A líder da oposição pediu à comunidade internacional que retire o apoio ao general Pervez Musharraf e disse que chegou o momento de que este abandone os cargos de presidente e de comandante das Forças Armadas.

«O general Musharraf deve partir. Deve renunciar a suas funções de presidente e de chefe das Forças Armadas», declarou Benazir Bhutto por telefone na residência de Lahore.

«Peço à comunidade internacional que deixe de apoiá-lo, que cesse de sustentar o homem cuja ditadura ameaça afundar esta potência nuclear no caos», acrescentou no 10º dia do estado de excepção instaurado por Musharraf.

Partidários da ex-primeira-ministra paquistanesa realizaram nesta terça-feira em Lahore uma manifestação contra o presidente Pervez Musharraf, mas sem a presença de sua líder.

Militantes do Partido do Povo Paquistanês (PPP) se reuniram em uma estrada onde centenas de carros partiram em procissão em direcção à cidade de Kasur, perto da fronteira com a Índia, afirmou o presidente do PPP na província de Pendjab, Shah Mahmud Qureshi.
Portugal Diário