"O PSD não promete 150 mil ou 300 mil postos de trabalho (como o PS fez). Fazem uma bola de sabão, muito bonita no ar, mas que quando rebenta nos deixa sem nada", afirmou a deputada social-democrata Mercês Borges, referindo-se também às medidas admitidas pelos socialistas, com base no recente documento elaborado por 12 economistas, embora reconhecendo que "o desemprego é um flagelo" e que há que "trabalhar cada vez mais para tirar o país do verdadeiro descalabro" em que foi entregue pelos socialistas.


"Os números oficiais podem não agradar, mas escusam de estar sempre a martelá-los. Não são 70%, são 30%, diz o Instituto do Emprego e da Formação Profissional (IEFP)", contrariou o deputado do BE José Soeiro sobre afirmações anteriores do ministro Mota Soares de uma alta taxa de retenção (pessoas que passam a ter contratos sem termo nas empresas, após estágios e outros programas de inserção).






"O ano de 2013 foi de criação emprego, o ano de 2014 foi de crescimento do emprego. Em sete trimestres, verificamos que o emprego aumentou em 137 mil pessoas, o desemprego diminuiu em 229 mil pessoas", garantiu Octávio de Oliveira, descrevendo os dados como "mais emprego e melhor emprego".