O secretário-geral do PCP recusou esta quinta-feira um acordo à esquerda nas autárquicas para a câmara de Lisboa, em resposta à aliança de direita, e admitiu que João Ferreira repita a candidatura pela CDU.

Questionado sobre se a aliança à direita, liderada pelo ex-comissário europeu Carlos Moedas, com PSD e CDS, iria alterar a estratégia dos comunistas, Jerónimo de Sousa afirmou que a coligação PCP-PEV já decidiu concorrer “tanto em Lisboa como no resto do país”.

“Não alterou a estratégia… não é o número que assusta”, afirmou o líder comunista aos jornalistas, à margem de um encontro com a Federação do Táxi, em Lisboa, e em que também não excluiu uma nova candidatura de João Ferreira, eurodeputado e vereador do PCP em Lisboa.

Com um sorriso e ironia, afirmou que “são muitos os sucedâneos do PSD e do CDS que andam aí em órbita e andam a formar essa grande coligação”.

O nome do candidato da CDU será “decidido brevemente” e, questionado sobre o cenário de uma recandidatura de João Ferreira, Jerónimo de Sousa comentou como “quase opinião pessoal”.

Daria um excelente candidato, como deu um excelente vereador”, afirmou.

João Ferreira foi, sucessivamente, cabeça de lista às europeias em 2014 e 2019, candidato à câmara de Lisboa em 2017 e candidato apoiado pelo partido nas presidenciais de janeiro.

De resto, “quem decidirá são os eleitores” e o secretário-geral do PCP disse estar “confiante que a CDU vai conseguir afirmar as suas posições e reforçar os seus mandatos” nas autárquicas que, a manter-se o calendário, se deverão realizar em outubro.

O PCP já concorreu em aliança com o PS e outros partidos de esquerda à câmara de Lisboa nas autárquicas de 1989, que deram a vitória a Jorge Sampaio, reeditando-a nos anos seguintes.

/ MJC