A Festa do Avante! decorre, como habitualmente, na Quinta da Atalaia, Amora, Seixal, de sexta-feira a domingo. Além de marcar a rentrée comunista, será também no Avante! que o PCP vai celebrar o centenário do partido. 

Depois de uma edição marcada pelas restrições sanitárias e pela polémica, o partido espera que a Festa do Avante de 2021 decorra com tranquilidade.

Qual é a lotação desta Festa do Avante?

A lotação do espaço sobe das 16 mil pessoas em 2020 para as 40 mil este ano, menos de metade  da sua lotação máxima (antes da pandemia, o espaço estava licenciado para 100 mil pessoas).

Qual é o horário ?

As portas vão abrir às 16.00 na sexta-feira e às 10.00 no fim-semana.

Sexta e sábado, as atividades terminam à 1.30. No domingo, as portas fecham-se às 23.00.

É preciso certificado de vacinação para entrar no recinto?

O acesso pode ser feito mediante apresentação de comprovativo de vacinação, de recuperação da doença ou de um teste negativo.

No entanto, para que ninguém fique de fora, a organização disponibiliza um espaço, junto à entrada da Quinta do Cabo, para a realização de testes rápidos. Os testes serão realizados pela Cruz Vermelha e têm um custo de 5 euros. Estes testes têm uma validade de 48 horas.

Também na entrada da Quinta do Cabo será possível a realização de autotestes que o visitante traga consigo com validade apenas para entrada imediata.

Que outras medidas sanitárias estão previstas?

Mantém-se a recomendação do uso de máscara, assim como a disponibilização em todos os 30 hectares do recinto de diversos pontos de álcool-gel.

Tal como no ano passado, estarão definidos circuitos de circulação e de acesso a todas as atividades, como exposições e espetáculos.

Também está previsto o recurso aos cartões contactless como meio de pagamento.

Além do reforço das medidas de limpeza e higienização, a organização garante que houve uma diminuição da densidade de construção de forma a garantir espaços abertos.

E no espaço da restauração?

Este ano, de acordo com o comunicado do PCP, há 78 espaços de restauração, que ocupam 4500m². "As áreas de esplanada mantêm a significativa ampliação verificada em 2020 para uma área de 40.000m²”, assegurando o distanciamento das mesas, não sendo permitido o consumo junto aos balcões.

Há lugares marcados para assistir aos espetáculos?

Sim. Todas as plateias de todos os palcos, incluindo as do teatro e as do cinema, terão lugares marcados, preferencialmente sentados, cumprindo a lotação e ocupação máxima, de acordo com orientações da DGS.

Segundo o plano de contingência, as cadeiras, colocadas duas a duas, devem estar distanciadas 1,2 metros para garantir o distanciamento adequado.

Também está assegurada uma distância mínima de pelo menos três metros entre a boca de cena e a primeira fila de espectadores.

Quais são os concertos mais esperados desta Festa do Avante?

O cartaz é dominado por artistas portugueses e lusófonos, de diferentes géneros, muitos deles apresentando-se em parcerias improváveis. Destacam-se:

Sexta-feira: Aline Frazão, Manuel Cruz com Aldina Duarte, Toy; no concerto sinfónico que celebra os 100 anos do PCP, entre outras peças, a Orquestra Sinfonieta de Lisboa vai estrear uma nova versão clássica, de António Victorino D'Almeida, para a "Carvalhesa".

Sábado: João Cabrita com Stereossauro e Tó Trips, HMB com Lena D'Água, Paulo de Carvalho com Mafalda Sachetti e Marco Rodrigues, Paulo Flores com Yuri da Cunha e Prodígio, Prétu com Dino d'Santiago;

Domingo: Brigada Victor Jara com Zeca Medeiros, Linda Martini, Pedro Jóia, Teresinha Landeiro, Tim com Teresa Salgueiro.

O que há mais para ver?

Para além dos concertos, há debates, exposições, filmes e teatro. Este ano, regressam as atividades para crianças e as atividades desportivas, como os tradicionais matraquilhos.

Por exemplo, a peça "Coragem hoje, abraços amanhã", um espetáculo de Joana Brandão "a partir de testemunhos, cartas e outras memórias de mulheres que estiveram presas, sofreram a tortura do sono, da estátua, mas acima de tudo, a tortura de serem privadas da sua liberdade".

No sábado, Daniel Sampaio estará na Festa, juntamente com o editor Zeferino Coelho, a apresentar o seu novo livro, "Relato de um Sobrevivente", sobre a sua infeção com a covid-19.

Quando é o comício?

O comício da Festa do Avante! acontece no domingo, no palco 25 de Abril. Com início às 18:00, terá a participação de Mónica Mendonça, membro da Comissão Política da DN da JCP, Manuel Rodrigues, membro da Comissão Política do CC do PCP e diretor do "Avante!", e Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP.

Quanto custa um bilhete para o Avante?

Até quinta-feira, adquirir uma Entrada Permanente (EP) para a Festa do Avante custava 27 euros.

A partir de sexta-feira, as EP só podem ser adquiridas na bilheteira no recinto e custam 40 euros. 

O preço dos bilhetes diários é variável: 29 euros para sexta-feira, 34 euros para sábado e 22 euros para domingo.

A Festa do Avante dá lucro ao partido?

Em 2020, a Festa do Avante arrecadou 846.319,8 euros de receita e registou uma despesa de 1.777.218,67 euros. 

Isto significa que edição do ano passado teve um prejuízo de 930 mil euros, um aumento de 65% do resultado negativo de 2019.

O PCP justificou esta situação com as restrições impostas pela pandemia, que reduziram muito a lotação do espaço, e toda a polémica criada em volta do evento.

A questão dos resultados financeiros da Festa do Avante do ano passado está diretamente relacionada com a campanha que contra ela foi desferida e diretamente relacionada com uma opção que o PCP fez, que foi numa situação extremamente exigente em termos de condições sanitárias", explicou Ângelo Alves, membro da Comissão Política do Comité Central do Partido Comunista Português.

Entre 2014 e 2020, o evento acumula um prejuízo de 2,81 milhões de euros. O que, para um evento que tem entre os seus objetivos a angariação de fundos para o partido, pode ser preocupante. No entanto, o PCP desvaloriza o prejuízo:

Para o PCP, a realização da Festa do Avante é sobretudo uma afirmação do direito democrático de participação política, e uma afirmação daquilo que é o conteúdo da nossa intervenção política, da nossa base ideológica, da sociedade que queremos construir para o nosso país. É isso que nos motiva a realizar a Festa do Avante, e não os seus resultados económicos”, afirmou Ângelo Alves

Maria João Caetano