Depois da abstenção e do sobe e desce dos partidos de sempre, o Partido das Pessoas, dos Animais e da Natureza (PAN) é a força política de que se fala nestas eleições europeias.

Variando entre a 5ª e a 7ª força política em cada distrito, o PAN conseguiu no Continente 167.506 votos, segundo resultados provisórios fornecidos pelo SGAI-AE e publicados no site da TVI24.

Por distrito, as votações no PAN ganharam menos adeptos em Bragança (883 votos) e Portalegre (697 votos). Portalegre é, de resto, o distrito onde o PAN cai para a 7ª força política, ao contrário dos restantes. Ainda no Alentejo, o distrito de Beja supera Portalegre em votos no PAN, mas não na freguesia de Barrancos. Famosa pelas suas festas em torno aa tourada, com os famosos “touros de morte”, dos habitantes de Barrancos que foram votar nenhum escolheu o PAN, sendo a taxa de abstenção supera a média nacional e sobe, nesta freguesia, para 73,13%.

Dos totais nacionais, os maiores distritos em termos populacionais foram os que mais contribuíram para a eleição de Francisco Guerreiro para eurodeputado pelo PAN - Lisboa (52.310 votos) e Porto (33.544) e Setúbal (17.051).

Nos distritos menos populacionais, o partido ganhou mais votos em Braga (11.169) e Aveiro (9.540), neste último foi a 5ª força política.

Na hora da vitória, após apurados os resultados, André Silva, líder do PAN, recusou a ideia de que o partido é uma moda e disse que o PAN é “uma minoria cada vez mais consolidada no sistema democrático português. E esta noite é de consolidação do percurso de um projeto político que tem sido feito desde 2011.”