No seu espaço de comentário político, Constança Cunha e Sá voltou à crise no Livre, que considera uma "sucessão de episódios rocambolescos".

Recordando o episódio de terça-feira na Assembleia da República, em que a Joacine Katar Moreira foi escoltada por um militar da GNR, "coisa nunca vista", Constança Cunha e Sá sublinhou que a deputada "não percebe" que os jornalistas têm direito a questioná-la de forma legítima e que "não faz sentido pedir agora que os jornalistas não a incomodem". 

Falando sobre o assessor do Livre, que no Twitter pediu aos jornalistas para "largarem o osso", Constança Cunha e Sá disse que Rafael Esteves Martins teve um comportamento exemplificativo do que um assessor não deve fazer. 

A comentadora assinalou ainda que saíram goradas as expectativas em relação aos novos partidos eleitos no passado mês de outubro, dizendo que "o Livre tem dado um tristíssimo exemplo" de como os novos partidos não são, afinal, tão diferentes dos tradicionalmente eleitos.