O presidente da Câmara Municipal de Lisboa criticou este sábado «a direita», considerando o discurso de Paulo Portas «mesquinho» relativamente à abertura de fronteiras e à imigração.

Reportando-se ao discurso que foi ouvido recentemente quando os novos estados-membros aderiram à União Europeia, «voltámos a ouvir a mesma direita, um pouco por todo o sítio, e se alguém der atenção ao doutor Portas vai continuar a ouvir, que tem sempre esse discurso mesquinho daqueles que acham que têm dez tostões e que se abrirem a porta de casa alguém lhes vem roubar esses dez tostões», criticou o socialista.

António Costa considera que «a grande lição da Europa é que, conforme nos abrimos, enriquecemos colectivamente, em vez de empobrecermos todos e cada um ficar agarrado aos seus dez tostões».

Segundo o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, os partidos que se apresentam às eleições europeias não são «todos iguais» porque «a direita acha que o caminho da Europa é reduzir o Estado social» enquanto os socialistas querem «reforçar os direitos sociais».

António Costa elogiou Vital Moreira pela sua «cultura democrática de sempre», pela «luta pela liberdade», dizendo que o cabeça-de-lista é «um socialista independente, mas amigo de sempre».