"Senti-me uma espécie de Oliveira da Figueira. Lembram-se de uma personagem do Tintim que vendia tudo nos mercados externos, tinha uma pasta e vendia uma série de produtos. Eu lembro-me do azeite português."








"Agora que já superámos a crise, já temos crescimento, criação de emprego e investimento, lembremo-nos de que, durante muito tempo, só as exportações constituíam um indicador positivo", declarou, enfatizando que esta é a sua quarta presença consecutiva na Facim.


"Em 2016 o povo dirá"