O líder do CDS-PP, Paulo Portas, afirmou este sábado, na Golegã, que o aumento da violência nas escolas é resultado do «ambiente condescendente» e de «facilitismo» promovido pelo Governo. «De cada vez que o Governo promove um ambiente condescendente, de facilitismo, obviamente retira exigência à escola, retira disciplina à escola e aumenta as condições para que existam agressões», afirmou à margem da primeira reunião dos coordenadores do programa do Governo, citado pela Lusa.

Sublinhando que «a escola é um lugar de conhecimento, não é seguramente um lugar de violência», o dirigente do CDS-PP relacionou ainda o aumento das agressões a professores e alunos nas escolas à autoridade dos docentes.

«Eu quero deixar claro que de cada vez que o Governo põe em causa a autoridade dos professores, e tem posto a autoridade dos professores repetidamente em causa, está a criar um clima propício para que não haja respeito, incluindo físico, pelos professores», declarou.

O número de agressões a professores e alunos aumentou 11,3 e 20,6 por cento respectivamente em 2007/08, face ao ano lectivo anterior, segundo dados do programa «Escola Segura» apresentados sexta-feira. Já o número total de ocorrências registadas pela «Escola Segura» no último ano lectivo, de acordo com o coordenador do Observatório para a Segurança Escolar, João Sebastião, foi de 6.039, enquanto em 2006/07 situou-se nas 7.028, o que representa uma diminuição de cerca de 14 por cento.

Em 2006/07 verificaram-se 1.092 agressões a alunos, tendo no ano lectivo seguinte aumentado 225, enquanto relativamente aos docentes passaram de 185 para 206 em igual período.
Redação / AV