«Discordo deste entendimento e considero que os factos já apurados pelo Ministério Público - aliás, reiterados no despacho do Juiz de Instrução - são de excecional gravidade. Assim, recorrerei da decisão do Juiz para o tribunal competente», anuncia Ana Gomes.




Ana Gomes defendeu na ocasião que «há elementos que justificam uma investigação ao património de Paulo Portas», que como ministro da Defesa (2002 a 2005)



Redação