O eurodeputado Paulo Rangel considerou, este sábado, à chegada ao segundo dia de trabalhos do 38º congresso do PSD, que as "críticas" internas "podem e devem ser feitas", mas "não devem passar uma imagem negativa" do partido.

Questionado pelos jornalistas sobre a referência às "guerrilhas" internas do discurso do presidente do PSD, Rui Rio, na sexta-feira à noite, Paulo Rangel disse ter sido "sensata".

No fundo, até é um apelo a que as críticas possam e devam ser feitas. Devem ser feitas de uma forma que não passe uma imagem negativa para fora do partido. Isso é uma coisa sensata", referiu Paulo Rangel à chegada ao centro cultural onde decorrem os trabalhos da reunião social-democrata em Viana do Castelo.

Para o eurodeputado do PSD, a "crítica com lealdade faz todo o sentido" durante o congresso.

Era só o que faltava que tivéssemos um congresso onde não haja alguma divergência. Há pontos onde todos temos visões diferentes. Isso não significa criar a tal conflitualidade interna", afirmou

Questionado sobre uma eventual candidatura aos órgãos nacionais. remeteu uma decisão para as 19:00.

Isso é para se ver mais logo. Eu já tenho assento no conselho nacional por inerência. Não preciso de ir em lista nenhuma por ser eurodeputado, por estar a chefiar a delegação do PSD no Parlamento Europeu. Às 19:00 veremos isso", declarou.

Segundo avançou o Expresso, Paulo Rangel vai encabeçar a lista do líder social-democrata para o Conselho Nacional e Arlindo Cunha, antigo ministro da Agricultura de Cavaco Silva, será o número dois.

/ MM