O candidato à liderança do PSD Paulo Rangel considerou hoje “fundamental” alterar as políticas salariais, defendendo que o relançamento económico do país tem de ser a “grande causa” do partido.

Ganhando as eleições no PSD e sendo candidato a primeiro-ministro eu acho que é fundamental nós mudarmos a nossa política salarial. Isso significa que não estamos em desacordo, pelo contrário, com uma subida do salário mínimo, uma subida sensível por razões económicas, não apenas sociais, as sociais são evidentes, o salário mínimo é muito baixo, mas há também razões económicas”, disse.

O eurodeputado, que falava aos jornalistas após ter apresentado a sua candidatura à liderança do PSD, no 3.º Congresso da Coesão Territorial, promovido pela JSD em Portalegre, alertou que as empresas portuguesas “não sobrevivem” no futuro com salários baixos.

Neste momento, se olharmos para a geoeconomia e geopolítica mundial é evidente que as empresas portuguesas não sobrevivem com os salários baixos, porque há competição da Ásia, vai haver competição da África, cada vez mais agressiva nesse plano”, alertou.

“As nossas próprias empresas têm de mudar o seu modelo económico e isso passa também por pagar salários que gradualmente e progressivamente, com algum equilíbrio, vão subindo”, acrescentou.

O social-democrata considera que a “grande questão” passa depois por separar esses salários do salário médio, para que o salário médio “também possa subir”.

Converter o salário mínimo numa espécie de salário geral igual para toda a gente e isso só pode ser conseguido com aumentos de produtividade”, disse.

Paulo Rangel defendeu uma reforma fiscal, designadamente na área do IRC e uma mudança no funcionamento da Justiça.

Não é a reforma dos conselhos superiores, é a questão da celeridade e da rapidez dos processos fiscais de insolvências, de trabalho e administrativos, pelo menos estes capítulos são muito importantes”, defendeu.

Para o eurodeputado é igualmente “muito importante”, orientar no futuro “toda” a produção para o setor das exportações.

Nós devíamos fixar uma meta, e essa meta é de que em 2030 nós devíamos estar, em vez de estarmos nos 42, 43% em termos de exportações, estarmos já num número perto dos 60%”, disse

“Se nós não fixarmos ambições, se não houver uma visão para Portugal, nós vamos continuar a cair no ´ranking´ europeu”, acrescentou.

O candidato à liderança do PSD recordou ainda que durante o Governo de António Costa o país foi “ultrapassado” por países da Europa de Leste, situação que tem de ser invertida no futuro.

/ HCL