"Existe uma preocupação em se mostrar anti-Cavaco Silva, como se não fosse conselheiro de Estado e da sua confiança total, que se apresenta ao eleitorado como seu natural sucessor, mas querendo-se mostrar quase mais esquerdista do que os que são de esquerda, mais opositor, ele que sempre esteve completamente comprometido", disse Edgar Silva.





"Há toda uma operação de propaganda e um esforço de cosmética para tentar apagar a memória coletiva e fazer esquecer que foi presidente do PSD, um dos seus mais altos responsáveis, com vários cargos, completamente comprometido com o partido, que sempre esteve ligado a tudo o que de pior nas políticas de direita foram impostas a Portugal", sublinhou.





"Há aqui um movimento que já vem de longe para a defesa do comboio, para que possam ser recuperados direitos que foram usurpados e aqui são direitos que têm a ver com um serviço público que tem de ser garantido à população, mas com uma exigência de modernização, de um melhor serviço que tem de ser garantido às populações", disse o candidato presidencial apoiado pelo PCP.