O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu esta sexta-feira que o voto na CDU, coligação que junta PCP e PEV, "conta, e conta bem”, para impedir uma maioria absoluta do Partido Socialista nas próximas eleições legislativas de 6 de outubro.

No discurso de abertura da 43.ª edição da Festa do Avante!, que decorre no Seixal, distrito de Setúbal, até domingo, o líder comunista alertou que “aqueles a quem a política de direita de sucessivos governos de PS, PSD e CDS serviu, os grandes interesses económicos e financeiros, já fizeram a sua aposta a pensar reverter o que se avançou”.

Derrotada a versão revanchista da política de direita em 2015, não desistindo dos seus objetivos, mas sem condições para os recuperar no imediato, querem hoje duas coisas: garantir a maioria absoluta do PS e, ao mesmo tempo, enfraquecer a CDU”, afirmou Jerónimo de Sousa.

Notando que estes agentes “colocam na concretização desses objetivos todo o seu arsenal e meios”, o secretário-geral do Partido Comunista advogou que “ensaiam novas artificiosas bipolarizações, utilizando a mais ridícula e falsa argumentação para ocultar aquilo que é uma evidência”.

“O voto na CDU conta, e conta bem, para impedir a maioria absoluta do PS”, vincou.