Arménio Carlos saiu este fim de semana do Comité Central do PCP, onde estava desde 1998. Segundo o antigo secretário-geral da CGTP, esta é uma "nova fase da vida política".

Isto não impede que eu participe na vida política do país", começou por frisar".

Jerónimo de Sousa foi reeleito secretário-geral dos comunistas durante o XXI Congresso, afastando, para já, um cenário de sucessão.

Para Arménio Carlos, os trabalhadores devem intervir, lutando pelos seus direitos, mesmo em contexto de pandemia de covid-19.

Os trabalhadores precisam de estar mais organizados. De um momento para o outro passámos para uma recessão", refere, apontando críticas ao Orçamento do Estado recentemente aprovado.

Sobre a Lei do Trabalho atualmente em vigor, Arménio Carlos afirma que são os jovens os mais afetados, lembrando a precariedade que existe em muitos setores da economia portuguesa.

Não podemos continuar a suportar que os trabalhadores efetivos sejam prejudicados", acrescenta.

Um dos temas centrais foi o papel do sindicalismo no contexto atual. Para Arménio Carlos, essa ligação deve ser "acentuada", como sinal de esperança dado aos trabalhadores.

De forma taxativa, o convidado diz que "o sindicalismo não está em crise", referindo uma crescente pressão sobre os trabalhadores desde há vários anos.

Apesar da importância do sindicalismo no panorama atual, Arménio Carlos diz que existe um estigma sobre os sindicatos

Redação