O deputado social-democrata Pedro Duarte considerou, esta terça-feira, que houve uma «grande evolução do PS» quanto à avaliação e ao estatuto da carreira dos professores e negou que o PSD tenha mudado de posição nestas matérias.

«O PS, designadamente o primeiro-ministro, diz que vê com bons olhos a proposta do PSD. Isso, evidentemente, deixa-nos com grande satisfação até porque revela uma grande evolução do PS face às posições que sempre tinha assumido», declarou aos jornalistas, no Parlamento.

Questionado se não houve nenhuma cedência do PSD ao PS ao apresentar um diploma que não propõe a suspensão, mas sim a substituição do actual modelo de avaliação dos professores no prazo de 30 dias, Pedro Duarte respondeu: «Nós apresentámos o nosso projecto de resolução de acordo com aquilo que sempre foi a nossa posição.»

«Aquilo que eu ainda não ouvi até hoje foi o PS dizer que concordava com o fim da divisão da carreira. Se apoiar o nosso projecto, é sinal que mudou de posição e ainda bem, evoluiu no bom sentido. Ainda não ouvi o PS dizer que pretendia um novo modelo de avaliação, ouvi falar em aperfeiçoamentos do actual modelo. Portanto, se aprovarem o nosso projecto é uma evolução positiva também», acrescentou.

O deputado e vice-presidente da bancada social-democrata referiu ainda que ouviu «o anterior Governo dizer que os professores que não tinham entregado objectivos individuais não progrediriam na carreira», acrescentando: «Com o nosso projecto tal não acontecerá, esses professores terão oportunidade de progredir na carreira.»

Segundo Pedro Duarte, o facto de o diploma do PSD não prever a suspensão do actual modelo de avaliação dos professores, mas antes a aprovação de um novo modelo no prazo de 30 dias, tem em atenção que há um «ciclo avaliativo que agora está a terminar».

«Muitos professores que foram avaliados querem legitimamente ver esses processos concluídos, isso acontecerá nos próximos dias ou nas próximas semanas», apontou.

Quanto ao «segundo ciclo avaliativo que agora começou», de acordo com o deputado social-democrata, «poderia ter havido uma menção no projecto de resolução do PSD» à suspensão desse processo, mas isso foi considerado desnecessário por se entender que haverá esse «bom senso» por parte das escolas e do Ministério da Educação.

«Não faz qualquer sentido que escolas continuem esses procedimentos, porque é tempo gasto, na medida em que daqui a 30 dias vamos ter um novo modelo e este vai ser revogado», defendeu.

Pedro Duarte disse que o PSD ainda não decidiu como vai votar os diplomas dos outros partidos sobre estas matérias, na sexta-feira.
Redação / CP