A candidatura de Nuno Melo acusou esta quarta-feira a direção do CDS-PP de querer “desviar as atenções” e “desvalorizar” a impugnação, por parte do Conselho Nacional de Jurisdição, da reunião em que foi decido adiar o congresso.

“Querer estar a desvalorizar uma decisão do tribunal do partido não faz sentido rigorosamente nenhum, é desviar as atenções”, afirmou o deputado Pedro Morais Soares em declarações à agência Lusa.

O apoiante de Nuno Melo na corrida à liderança do partido comentava as declarações do presidente do CDS-PP que, na terça-feira, disse que, apesar de os membros do Conselho de Jurisdição Nacional não poderem "ser titulares de órgãos executivos nem de mesas da assembleia", dois dos membros "que votaram a favor", um "é membro de uma assembleia de militantes em Oeiras e a outra é membro da distrital de Braga", liderada por Nuno Melo.

Francisco Rodrigues dos Santos considerou também haver "vontade política" por trás da decisão.

VEJA TAMBÉM:

LÍDER DO CDS-PP RESPONDE A "ATAQUES" DE NUNO MELO E DENUNCIA "CAMPANHAS INTERNAS"

RODRIGUES DOS SANTOS: "PORQUE TENHO DE ANTECIPAR O TÉRMINO DO MANDATO POR TERMOS LEGISLATIVAS?"

CDS-PP: RODRIGUES DOS SANTOS DIZ-SE LEGITIMADO COMO PRESIDENTE ATÉ JANEIRO

De acordo com os estatutos do CDS-PP, disponíveis no site do partido, “os membros do Conselho Nacional de Jurisdição não integram qualquer outro órgão”, à “exceção do congresso, mas poderão assistir às reuniões de todos os órgãos com exceção da Comissão Executiva”.

À Lusa, Pedro Morais Soares salientou que o Conselho Nacional de Jurisdição “é um órgão colegial eleito em congresso” e que a lista afeta a Francisco Rodrigues dos Santos “elegeu quatro” dos sete membros, tendo maioria, enquanto a lista apresentada por João Almeida “elegeu três”.

A “decisão de declarar nula a convocatória do Conselho Nacional” foi tomada “por um órgão colegial e apesar da maioria do presidente do partido”, argumentou.

Apontando que “os membros eleitos têm de cumprir com os estatutos do partido”, o deputado salientou que não lhe “passa pela cabeça” que não o façam e que “não cumpram com a lei”.

Por isso, defendeu Pedro Morais Soares, “não faz qualquer sentido as declarações que foram feitas pelo presidente do partido”.

E afirmou que entre os membros eleitos na lista do presidente do partido, João Paulo Carvalho é “funcionário do partido” e “membro da comissão política regional do CDS/Açores” e “Miguel Alvim escreve constantemente artigos de opinião de apoio ao Francisco Rodrigues dos Santos e muitas vezes tem vindo a criticar o candidato Nuno Melo”.

O congresso eletivo do CDS-PP estava agendado para os dias 27 e 28 de novembro, em Lamego, mas foi adiado para depois das eleições legislativas pelo Conselho Nacional, por proposta do líder centrista.

Esta decisão gerou polémica dentro do partido e levou à desfiliação de antigos dirigentes nacionais.

Após uma impugnação por parte do eurodeputado Nuno Melo, o Conselho Nacional de Jurisdição do CDS-PP considerou "nula e sem qualquer efeito a convocatória" da reunião de sexta-feira do órgão máximo do partido entre congressos, mas a direção não aceita e alega que a reunião foi legal.

/ BCE