O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, afirmou hoje que o concurso para a compra de 22 novos comboios para a CP foi impugnado e está à espera de decisão do tribunal.

"Relativamente ao contrato que foi feito para aquisição de novo material circulante, 22 comboios, ele foi alvo de impugnação de um concorrente", adiantou o governante.

Segundo Pedro Nuno Santos, aguarda-se, agora, que o tribunal decida se dá seguimento à providência cautelar interposta por um dos concorrentes ao concurso.

"Se for dado seguimento à providência cautelar, nós vamos ter um atraso relevante", acrescentou o ministro.

Ferrovia2020 com risco de novos atrasos?

O ministro das Infraestruturas e da Habitação admitiu não conseguir garantir a inexistência de atrasos na concretização do Ferrovia2020 e salientou que o Governo está a dar o "melhor para reduzir ao mínimo" o risco de perder fundos comunitários.

“Não consigo garantir [que não há riscos de novos atrasos]”, disse Pedro Nuno Santos, acrescentando não ter, por exemplo, "capacidade de antecipar se algum concurso vai ser impugnado”.

"Nem tudo depende do Estado Português. (...) Nós temos de conseguir concretizar o investimento até dezembro de 2023", esclareceu.

Num cenário em que o Governo não consiga concretizar aquele investimento, Pedro Nuno Santos admitiu que existe o risco de se perderem fundos comunitários, mas que o executivo está a trabalhar para que tal não aconteça.

"Estamos conscientes disso [do risco de perda de fundos comunitários] e estamos a dar o nosso melhor para reduzir ao mínimo esse risco”, sublinhou o ministro.

O governante falava na audição conjunta nas comissões parlamentares de Orçamento e Finanças e de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).