O presidente do PSD, Rui Rio, esclareceu esta terça-feira que o ex-primeiro-ministro Pedro Santana Lopes não será candidato pelos sociais-democratas nas próximas eleições autárquicas.

Numa conferência de imprensa no Porto, onde divulgou mais 50 nomes de candidatos às autárquicas homologados pela direção nacional, Rui Rio, quando questionado sobre se Santana Lopes estava “fora de jogo”, respondeu afirmativamente.

Eu penso que sim. Pois, faltam ser anunciados 76 candidatos, mas eu dir-lhe-ia que não será candidato”, afirmou, numa referência ao ex-líder do PSD, que saiu do partido para fundar a Aliança, da qual entretanto se demitiu.

Sobre se essa opção foi do PSD ou do próprio Santana Lopes, o presidente social-democrata respondeu: “é preciso encontrar o concelho certo em que o PSD quisesse, ele também quisesse, o PSD local e o PSD nacional e onde ele próprio tivesse alguma coisa a ver com o concelho, etc, etc, etc e não me parece que vá acontecer isso”.

Pedro Santana Lopes, de 64 anos, foi primeiro-ministro pelo PSD entre 2004 e 2005.

Advogado de profissão, Santana Lopes foi ainda presidente do PSD e da Câmara Municipal de Lisboa.

Em agosto de 2018, o social-democrata anunciou a desfiliação do PSD e a criação do novo partido Aliança.

Em 2019, o partido concorreu às eleições europeias e às legislativas, não elegendo qualquer deputado em ambos os sufrágios.

Antes da fundar a Aliança, Pedro Santana Lopes candidatou-se à liderança do PSD contra Rui Rio, tendo perdido para o atual presidente dos sociais-democratas.

Dois anos depois da sua criação, Santana Lopes abandonou o Aliança.

As eleições para os cidadãos escolherem a configuração de executivos municipais, assembleias locais e juntas de freguesia têm de ser marcadas pelo Governo para entre 22 de setembro e 14 de outubro.

Em Portugal há 308 municípios (278 no continente, 19 nos Açores e 11 na Madeira), e 3.092 juntas de freguesia (2.882 no continente, 156 nos Açores e 54 na Madeira).

/ AG