O ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira, garantiu, esta quinta-feira, que «o Governo não tem nem nunca teve uma posição irredutível» no que toca a discutir o último pacote de medidas de austeridade anunciado e garantiu que o Executivo mantém «total disponibilidade para discutir com o PSD». É a resposta do Governo à posição de Pedro Passos Coelho reafirmada, esta quinta-feira, após o encontro com Cavaco Silva.

«Essa disponibilidade mantém-se, mesmo depois das declarações de hoje e dos últimos dias do líder do PSD», sublinhou Pedro Silva Pereira.

O ministro da Presidência assegurou que «o Governo está a fazer tudo para evitar uma crise política». Pedro Silva Pereira defendeu «um diálogo responsável, que impeça o país de entrar numa crise política evitável».

Ainda sobre o fantasma da crise política, Pedro Silva Pereira reiterou que precipitá-la seria, «nesta altura, em plena crise das dívidas soberanas», uma «irresponsabilidade.

Durante a conferência de Imprensa, no final do Conselho de Ministros desta quinta-feira, Pedro Silva Pereira estranhou ainda o pedido de esclarecimento sobre a situação do país feito pelo líder do PSD. «É um pedido surpreendente, vindo de quem vem, do líder do principal partido da oposição», frisou.

Ainda assim, esclareceu que Portugal vive no meio de uma «crise da dívida soberana». «Não há ninguém e sobretudo não há nenhum responsável político que possa invocar desconhecimento da realidade da dívida pública portuguesa», disse.
Redação / MM