O histórico presidente da Câmara de Serpa, o comunista João Rocha, deixa na quinta-feira o cargo, que ocupa há quase 33 anos, e será substituído pelo atual vice-presidente Tomé Pires, revelou esta terça-feira à Lusa fonte do município.

O pedido de suspensão do mandato de João Rocha, por motivos pessoais, foi aprovado na última reunião da Câmara de Serpa e produz efeitos na quinta-feira, explicou a fonte.

João Rocha, que está no nono mandato consecutivo e não pode recandidatar-se à Câmara de Serpa, devido à lei que estabelece o limite de três mandatos consecutivos, será substituído por Tomé Pires, que assume a presidência do município na sexta-feira, indicou a fonte.

Num comunicado dirigido à população do concelho e enviado também à Lusa, João Rocha explica que deixa a presidência da autarquia para prestar apoio a um familiar e «por força da lei de limitação de mandatos», que o impede de continuar a candidatar-se em Serpa.

«É tempo, por conseguinte, de fechar um ciclo», considera o autarca, referindo que sai com «a consciência do dever cumprido» e a «certeza» de que à frente dos destinos do município de Serpa fica uma equipa «forte» e que «vai garantir a continuação das políticas traçadas» e com a qual está «inequivocamente solidário».

Os quase 33 anos a liderar o município foram «muito intensos e gratificantes», frisa João Rocha, referindo que, como presidente da Câmara de Serpa, participou na «construção do poder local» e teve a «oportunidade de estar à frente de um conjunto de projetos orientados para o desenvolvimento sustentável» do concelho e da região.
Redação