A candidata presidencial Ana Gomes frisou na quinta-feira à noite que o PS “nunca faltou a nenhum combate pela democracia” e considerou que as eleições do próximo domingo são uma dessas lutas.

No único comício da campanha, que decorreu sobretudo através das plataformas digitais, Ana Gomes disse estar nestas eleições “como socialista, a pensar socialista, a agir como socialista”, citando figuras destacadas do partido como Mário Soares, Salgado Zenha, Manuel Alegre, Jorge Sampaio ou António Guterres.

Hoje este é um combate pela democracia, num momento em que a democracia está sob ataque, estou aqui pelas razões por que foi fundado o PS. Esse PS que nunca faltou a nenhum combate pela democracia e este é um combate pela democracia”, assegurou.

A militante do PS - partido que não deu indicação de voto nas presidenciais de domingo - fez a última de dez intervenções, num comício em que o candidato presidencial e líder do Chega foi sempre um dos principais visados, mesmo sem ser referido o nome André Ventura.

Este é o momento de nos unirmos, de irmos ao combate, um combate sem violência, com a força do voto, com convicções”, disse Ana Gomes, no dia em que a comitiva de Ventura foi apedrejada em Setúbal.

A antiga eurodeputada considerou não existir “falta de comparência do socialismo democrático” e garantiu sentir-se “bem acompanhada por muitos socialistas” e também não socialista, tendo o apoio oficial do PAN e do Livre.

Estou aqui a pedir que todos aqueles que acreditam na democracia, na diversidade e no pluralismo, que nos unamos, que no dia 24, apesar de todas as dificuldades, não deixemos de ir votar. Podemos fazer a diferença”, apelou.

No mesmo comício, o ex-ministro do Trabalho Paulo Pedroso foi o mais critico em relação ao atual Presidente da República e recandidato ao cargo, considerando que Marcelo Rebelo de Sousa tenta “embalar” os portugueses com os seus “enleios”, enquanto apoia as “causas mais conservadoras da sociedade”, tendo sido contra a legalização do aborto ou a regionalização.

Marcelo, o príncipe de muitas faces, tem sempre uma que quem não quiser ver pode escolher e que tem, com todas elas, a arte de não se comprometer com nenhuma das que tem”, criticou.

Presencialmente no Coliseu do Porto esteve o deputado e líder da concelhia do PS desta cidade, Tiago Barbosa Ribeiro, que considerou “um dever votar para derrotar a extrema-direita”.

E a Ana é a candidata melhor posicionada para ir à segunda volta”, frisou.

Já a mandatária nacional Isabel Soares - e filha do antigo Presidente da República Mário Soares - e a deputada do PAN Bebiana Cunha defenderam que é preciso ter uma mulher na Presidência da República, e “essa mulher é Ana Gomes”.

O único comício da campanha decorreu, durante quase duas horas, a partir do Coliseu do Porto, onde estiveram presencialmente, além da candidata, o atual presidente do Conselho Económico e Social Francisco Assis, o deputado do PS Tiago Barbosa Ribeiro, que falaram a partir de um púlpito e perante uma sala apenas com alguns jornalistas.

/ CE