Depois de admitir, na passada quarta-feira, que a operação da PSP de que dois jornalistas da TVI e da revista sábado foram alvo, a deixou "muito inquieta", Ana Gomes vai mais longe e aponta o dedo a Marcelo Rebelo de Sousa. 

Num Tweet publicado esta quinta-feira na sua conta oficial, a candidata presidencial afirma que o "Pacto de Justiça tão apregoado por Marcelo Rebelo de Sousa em nada resultou" e continua, escrevendo que as perversões na justiça "até se agravaram".

No entanto, não é só o nome do Presidente da República que a candidata apoiada pelo PAN e pelo Livre invoca no seu tweet. Também as antiga e atual procuradoras-gerais da República são visadas:

A vigilância a jornalistas começou com PGR (procuradora-geral da República) Joana Marques Vidal. Continuou com PGR Lucília Gago", apontou Ana Gomes. 

A candidata presidencial defende assim "o trabalho dos jornalistas, que é absolutamente indispensável numa sociedade livre num Estado democrático".

As vigilâncias aos jornalistas Henrique Machado (TVI) e Carlos Rodrigues Lima (Sábado), às ordens da magistrada Andrea Marques, do DIAP de Lisboa, ocorreram na via pública entre abril e maio de 2018, no decorrer de uma investigação por violação do segredo de justiça.

Diogo Assunção