A afluência ao voto antecipado em mobilidade já era esperada este domingo. Lisboa é o concelho com mais inscritos, 33.364, e as filas para as urnas já são visíveis, pelo menos na Cidade Universitária.

Na prática, a votação é distribuída por dois dias, embora a esmagadora maioria prefira votar no domingo. No entanto, para este domingo, foi batido o recorde de inscritos no voto antecipado, uma vez que mais de 240 mil eleitores se inscreveram.

Para poder votar antecipadamente nas presidenciais hoje era necessária uma inscrição, cujo prazo terminou na quinta-feira

Nas redes sociais, há outros relatos de filas para votar este domingo, com o respetivo respeito pelo distanciamento social:

O voto antecipado em mobilidade foi alargado por uma lei aprovada no parlamento e pode ser feito na sede de cada um dos 308 concelhos do país, em vez da sede do distrito, como aconteceu nas europeias e legislativas de 2019.

As eleições presidenciais, que se realizam em plena epidemia de covid-19 em Portugal, estão marcadas para 24 de janeiro e esta é a 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia, desde 1976.

A campanha eleitoral termina em 22 de janeiro.

Concorrem às eleições sete candidatos, Marisa Matias (apoiada pelo Bloco de Esquerda), Marcelo Rebelo de Sousa (PSD e CDS/PP) Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), André Ventura (Chega), Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans, João Ferreira (PCP e PEV) e a militante do PS Ana Gomes (PAN e Livre).