O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considera que "se têm de tirar muitas consequências políticas" sobre a questão de Odemira. 

Questionado pelos jornalistas a propósito da polémica requisição civil do Zmar para realojar trabalhadores imigrantes que se encontram em risco de infeção por covid-19 devido à falta de condições das suas habitações, o Presidente explicitou que não se referia a consequências para o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, mas antes à necessidade de os responsáveis políticos darem atenção à situação dos trabalhadores imigrantes que vivem na região:

Tem que se fiscalizar para saber como é que é a respeito da legalidade, tem de se apurar se há ou não uma situação que convida àquilo que são atuações criminais".

Além disso, sublinhou Marcelo, "tem que se pensar a sério no problema dos imigrantes que estão cá dentro, que trabalham. Fala-se de inclusão mas essa inclusão é muito relativa. Isso não pode depender de haver problemas  de saúde que chamem a atenção para o facto".

A decisão de realojar os imigrantes no empreendimento turístico localizado na Zambujeira foi tomada pelo Governo na sequência da cerca sanitária decretada em duas freguesias dos concelho.

O Presidente está esta semana a realizar uma visita pelo Minho, encontrando-se esta terça-feira em Caminha.

Sobre o pedido de insolvência da Groundforce, Marcelo garantiu que "há razões para os portugueses estarem atentos e preocupados".

Redação