Marcelo Rebelo de Sousa respondeu esta segunda-feira a António Costa sobre o processo de desconfinamento, sublinhando que, “por definição, o Presidente nunca é desautorizado pelo primeiro-ministro”.

Quem nomeia o primeiro-ministro é o Presidente. Não é o primeiro-ministro que nomeia o Presidente”, disse Marcelo Rebelo de Sousa, que está na Hungria para esta terça-feira ver o primeiro jogo de Portugal no Euro 2020.

O comentário de Marcelo surge no mesmo dia em que António Costa disse que ninguém pode garantir que não se volta atrás no desconfinamento, sublinhando que o Governo adotará “em cada momento as medidas que se justifiquem perante o estado da pandemia”.

Se alguém pode garantir [que não se volta atrás no desconfinamento]? Não, creio que nem o senhor Presidente da República seguramente o pode fazer, nem o fez”, sublinhou António Costa em conferência de imprensa no quartel-general da Organização do Tratado do Atlântico Norte.

Costa reagia, ao final do dia, às declarações de Marcelo Rebelo de Sousa que, no domingo, avisou que, no que depender dele, não haverá "volta atrás" no processo de desconfinamento, António Costa disse que crê que as palavras do Presidente da República são “subscritas por 100% dos portugueses”. 

Já não voltamos para trás. Não é o problema de saber se pode ser, deve ser, ou não. Não vai haver. Comigo não vai haver. Naquilo que depender do Presidente da República não se volta atrás", afirmou, Marcelo Rebelo de Sousa, durante uma visita à Feira Nacional de Agricultura, em Santarém.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.805.928 mortos no mundo, resultantes de mais de 175,8 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 17.047 pessoas dos 858.072 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.