O XXXI Congresso do PSD, que vai eleger os novos órgãos nacionais do partido, começa esta sexta-feira ao final da tarde em Guimarães, três semanas depois de Manuela Ferreira Leite ter sido eleita presidente social-democrata.

Com a liderança do partido decidida desde as directas de 31 de Maio, apenas uma moção de estratégia global ¿ a da presidente, Manuela Ferreira Leite, que venceu com 37,86 por cento dos votos ¿ será apresentada e votada no Congresso do PSD.

O que está em aberto é a composição dos novos órgãos nacionais, que serão eleitos no domingo de manhã pelos 750 delegados com direito de voto, sabendo-se já que haverá concorrência às listas de Manuela Ferreira Leite.

O segundo classificado nas directas, Pedro Passos Coelho, que obteve 31,55 por cento dos votos, ficando a 2.912 votos de Manuela Ferreira Leite, anunciou logo no dia 31 de Maio que iria apresentar listas ao Conselho Nacional e ao Conselho de Jurisdição Nacional do PSD.

Esta semana os apoiantes de Pedro Santana Lopes, que ficou em terceiro lugar nas directas, com 29,13 por cento e menos 1.115 votos do que Passos Coelho, decidiram igualmente apresentar listas a esses dois órgãos.

Do Congresso sairão também a nova Mesa do Congresso e a nova Comissão Política Nacional, o órgão de direcção mais restrito, desconhecendo-se ainda quem Manuela Ferreira Leite escolherá, nomeadamente para o cargo de secretário-geral do PSD e para as vice-presidências.

As listas aos órgãos nacionais do partido terão de ser entregues até às 20:00 horas de sábado.

Manuela Ferreira Leite falará aos congressistas hoje e domingo, no encerramento dos trabalhos ¿ dos quais estará ausente o seu antecessor na presidência do PSD, Luís Filipe Menezes, que anunciou a sua demissão no dia 17 de Maio ao fim de seis meses de liderança.
Redação / - LM