André Ventura, voltou a afirmar, esta quarta-feira, que não existirá um Governo à direita sem o Chega. As declarações do presidente do Chega surgem poucas horas antes de discursar no congresso das direitas, o congresso do Movimento Europa e Liberdade.

Rui Rio já deve ter entendido que não haverá Governo à direita sem o Chega”, frisou.

O líder do Chega insiste assim na ideia de que, apesar de considerar que o seu partido não faz parte da mesma família política do PSD, CDS e Iniciativa Liberal, o partido que chefia é fundamental para que esses partidos consigam formar Governo.

Ninguém nos estendeu a passadeira vermelha, o Chega conquistou o poder próprio pela força das sondagens, pela força do trabalho, pela força da rua. Na minha perspetiva, é um partido indispensável à direita”, frisou.

Ventura revelou ainda estar disponível para negociar com os parceiros à direita, à semelhança do que aconteceu nos Açores, “para afastar o Partido Socialista do poder”, mas avisa: “Ou é um Governo de rutura, ou não haverá governo de todo”.

Não seremos muleta de nenhum PSD e de nenhum CDS para governar da mesma forma como se governou nos últimos 46 anos”, rematou.  

Em declarações à TVI24, o líder do Chega teceu ainda algumas críticas ao presidente do PSD, Rui Rio, que considera estar a fazer "um mau trabalho" enquanto líder da oposição.