Numa conferência de imprensa no Parlamento, Emília Cerqueira, garantiu que marcou as presenças do secretário geral do PSD "inadvertidamente". A deputada social democrata garante que acedeu ao computador de Silvano para consultar ficheiros a que não tinha acesso, sem saber que isso assinalava a presença.

Assumo que acedi ao computador, mas ao contrário do que estão a passar não foi para marcar presenças", garantiu Emília Cerqueira

A deputada disse que José Silvano nunca lhe pediu para assinalar as presenças na Assembleia e lamenta o "circo mediático que se criou em torno do caso". 

Toda a gente se preocupa como um bando de virgens ofendidas, numa terra onde não há virgens", disse exaltada a deputada do PSD

Sobre a razão que a levou, agora, a revelar-se como responsável pela assinatura, Emília Cerqueira diz que "não tinha noção das repercussões que o caso ia tomar". Por várias vezes a deputada garantiu que a troca de passwords pessoais é uma prática recorrente na Assembleia da República. 

Isto não é um crime de lesa pátria, deviam preocupar-se mais com esses", disse Emília Cerqueira

O caso que envolve o secretário geral do PSD no Parlamento foi noticiado pelo semanário Expresso, no sábado passado. O jornal revelou um print screen que, segundo a deputada, foi feito por "um colega". 

O deputado e secretário-geral do PSD, José Silvano, protagonizara na quinta-feira a primeira declaração pública sobre as falsas presenças em reuniões plenárias, mas sem responder a perguntas dos jornalistas, acrescentando querer que a Procuradoria-Geral da República, que já anunciou estar a analisar o caso, investigue o sucedido.

O deputado garantiu não ter autorizado ninguém a utilizar a sua "password" - pessoal e intransmissível - para registo de deputados no hemiciclo do parlamento, permanecendo por explicar como foi assinalada a sua presença em plenário em duas datas em que esteve ausente.