José Pacheco Pereira apareceu na campanha. O cabeça-de-lista social-democrata às legislativas pelo círculo de Santarém considera que o primeiro-ministro se vai calar sobre as relações com Espanha a propósito do TGV.

«Eu estou convencido de que o primeiro-ministro rapidamente perceberá que este tema de campanha que ele pensa que lhe é favorável lhe é altamente desfavorável e se calará como se calou com os casamentos dos homossexuais, com que iniciou a campanha e que depois se calou», afirmou, citado pela agência Lusa.

Questionado sobre a possibilidade de Portugal perder fundos comunitários se suspender o projecto da rede ferroviária de alta-velocidade (TGV), Pacheco Pereira argumentou que, se aceitar esses fundos implica «que o Estado português se vai endividar de uma forma incomportável para as gerações futuras», pelo que «é preferível seguir outra política».



«Não aceito essa chantagem e com certeza há muita coisa que pode ser renegociada», frisou, aproveitando para criticar quem «se coloca naquela posição um bocado embevecida de iberista» face à discussão sobre os interesses de Portugal e de Espanha relativamente ao projecto do TGV.

«Eu não critico os espanhóis por defenderem os seus interesses, nem critico os franceses, nem os alemães por defenderem os seus interesses. O que eu quero é que os portugueses também defendam os seus interesses e essa é que é a questão de fundo», concluiu.
Redação / FC