O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou na segunda-feira à noite, perante militantes de Viseu, que “não deixa cair os amigos”, questionado sobre a polémica em torno das falsas presenças do secretário-geral do partido no parlamento.

De acordo com relatos da reunião feitos à Lusa - que durou cerca de quatro horas -, foi o próprio Rui Rio que levantou o assunto, notando que não lhe tinha sido colocada qualquer pergunta sobre a polémica que marcou a semana passada.

Perante o desafio, foi questionado por um militante sobre como compatibilizava o caso de Silvano com o “banho de ética” que prometeu quando se candidatou à liderança do partido. Na resposta, Rio desvalorizou a polémica, negando que o secretário-geral tivesse agido de forma a receber indevidamente ajudas de custo.

O presidente social-democrata acrescentou que “não deixa cair os amigos”, e que “a última coisa” que faria seria deixar ‘cair’ José Silvano, que é já o seu segundo secretário-geral desde que assumiu a liderança do PSD em janeiro.

Sobre as próximas eleições, Rio voltou a apelar à união do PSD, e deixou um aviso de que “se correr muito mal”, o principal prejudicado será, não ele próprio – que seria “corrido ao pontapé” –, mas o partido.

A sessão, que decorreu na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu, insere-se numa volta pelo país do líder do PSD, em que pretende debater diretamente com os militantes do partido, já tendo marcado presença em distritos como Porto, Aveiro, Coimbra ou Santarém, entre outros. Para quarta-feira, está prevista a reunião com os militantes de Lisboa.

O tema das faltas dos deputados ganhou relevo na última semana, com o caso das falsas presenças de José Silvano, em pelo menos duas reuniões plenárias, em 18 e 24 de outubro.

Na sexta-feira, a deputada social-democrata Emília Cerqueira admitiu que pode sido ela inadvertidamente a registar José Silvano quando entrou no computador com a 'password' do secretário-geral do partido para consultar documentos partilhados, o que levou o líder parlamentar, Fernando Negrão, a dar o caso como “encerrado”.

Na passada quinta-feira, seis dias após o jornal semanário Expresso ter noticiado o caso (em 03 de novembro), José Silvano fez uma declaração no parlamento, sem responder a perguntas dos jornalistas, na qual assegurou não ter pedido a ninguém para que o registasse em plenários nos dias em que faltou por se encontrar a realizar trabalho político em Vila Real e Santarém na qualidade de secretário-geral.

Na mesma declaração, Silvano pediu que a Procuradoria-Geral da República, que já anunciou estar a analisar o caso, investigue o sucedido.

No dia 05 de novembro, na única vez em que se pronunciou publicamente sobre o caso, Rui Rio assegurou que mantinha a confiança política em José Silvano, e classificou o caso como do domínio das “pequenas questiúnculas”.

"Claro que mantenho a confiança política. O caso não é agradável, como é evidente, não é um caso positivo, mas acha que ter uma proposta para o país, discutir o país, debater o país pode ser anulado pelas pequenas questiúnculas que estão constantemente a surgir neste partido e nos outros partidos. Não pode ser, temos de estar um bocadinho acima disso", afirmou, à margem de uma iniciativa no Porto.