O secretário-geral do PS, António José Seguro, garantiu hoje que a carta do Partido Socialista Europeu (PSE) é «um primeiro passo» para exigir um caminho alternativo à «política de austeridade» na Europa, noticia a Lusa.

«Sou um dos líderes socialistas que assinou esta carta e tenho vindo a pugnar para que a família socialista ao nível europeu possa ter uma agenda própria e alternativa a esta política de austeridade», afirmou.

Afirmando-se «muito satisfeito» com a iniciativa da missiva, que foi enviada ao Conselho Europeu, o líder do PS assegurou que «a carta é um primeiro passo nesse sentido», ou seja, de exigir alternativas à austeridade na Europa.

Na carta, o PSE exige políticas concretas de estímulo ao crescimento e ao emprego e critica as medidas de liberalização do setor dos serviços e do mercado laboral.

«Os cortes na despesa, mais desregulamentação do mercado de trabalho e liberalização do setor dos serviços não são as respostas que a economia europeia necessita. Nem são as respostas que os cidadãos europeus necessitam», afirmam na carta os líderes socialistas europeus, considerando que o problema da falta de crescimento europeu é a falta de procura.

«O que a Europa precisa é de uma estratégia de investimento abrangente, progressiva e coordenada, que nos permita sair da crise através do crescimento», acrescenta o PSE, reclamando para si «ter feito regressar» à agenda europeia o tema do emprego e do crescimento.

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia reúnem-se hoje e por dois dias em Bruxelas para debater novas formas de crescimento nos Estados-membros, para lutar contra a recessão no espaço da zona euro, depois de dois anos em que o tema principal tem sido o da dívida soberana, resgates e a austeridade.

«É um passo animador na direção da recuperação europeia que finalmente o debate sobre o crescimento esteja a ter lugar (¿) No entanto, as tentativas de aumentar o emprego através de maior precariedade, ou pela desregulamentação dos mercados, são sinais preocupantes», pode ler-se na carta do PSE.

Na maioria dos países da UE, o Partido Socialista está na oposição.