«Parece que estamos no PREC», atira Paulo Rangel sobre a forma como José Sócrates «ataca a iniciativa privada». Num almoço a convite do American Club, esta quinta-feira num hotel de Lisboa, o candidato do PSD, à semelhança da noite de ontem, respondeu directamente ao primeiro-ministro, relegando para segundo plano o cabeça-de-lista do PS.

O secretário-geral dos socialistas criticou ontem, em Castelo Branco, a proposta do PSD sobre um sistema de saúde misto, que contasse com a iniciativa privada não retirando importância ao papel do Estado, e Paulo Rangel aproveitou a «deixa» para apontar baterias a Sócrates, sem passar por Vital Moreira.

«O primeiro-ministro agora desenvolve um horror a tudo o que é privado. Fala muito da importância dos empresários e depois desfere o maior ataque à iniciativa privada», disse, brevemente, o candidato do PSD.

Rangel passa na prova oral

Mas Rangel não respondeu apenas ao primeiro-ministro. O social-democrata teve de atender às perguntas «ambiciosas» de Morais Sarmento, que questionou o seu colega de partido. O presidente do Conselho de Jurisdição do PSD incitou o líder parlamentar a deixar claras as «diferenças fracturantes - ou não-fracturantes - de posicionamento entre o PS e o PSD perante a Europa».

Saiba porque vai Rangel para Bruxelas

Quando os candidatos do PS «não se entendem».

Rangel denuncia: suinicultores obrigados a devolver fundos europeus

Apesar de «ambiciosas», Rangel passou na prova oral prometendo responder «telegraficamente». E assim fez: PS e PSD divergem na reeleição de Durão Barroso, na

aplicação dos fundos europeus e na criação de um imposto europeu.

A questão do imposto europeu tornou-se um tema quente desta campanha, com Vital Moreira a anunciar para esta quinta-feira ao fim do dia explicações sobre a sua proposta. Mas Rangel já avisou, na antecipação: «Não há nada que justifique a criação de mais um imposto».

Siga tudo no no site especial que a tvi24.pt criou para estas eleições europeias.
Judite França