O presidente do PSD, Rui Rio, considerou, esta quarta-feira, “preocupante” que o Governo tenha escolhido um deputado socialista para a administração da ERSE, sem currículo na área, e disse esperar que o executivo possa dar “um passo à retaguarda”.

As entidades reguladoras não são para partidarizar, não é o local onde devemos meter um político, devemos meter pessoas com conhecimento técnico, neste caso sobre energia”, defendeu Rui Rio, em declarações aos jornalistas, à entrada para um almoço conferência da Associação de Amizade Portugal-EUA, em Lisboa.

Para o presidente do PSD, “é muito preocupante” que o Governo do PS tenha apontado para a administração da Entidade Reguladora do Setor Energético (ERSE) o deputado socialista eleito pelo circulo eleitoral da Madeira Carlos Pereira.

É muito preocupante quando o Governo do PS, para fazer algumas compensações, acabe a meter nas entidades reguladoras, que se querem absolutamente independentes, pessoas que podem ser muito competentes em várias áreas, mas não têm currículo na área da energia”, apontou.

Questionado se espera que o Governo possa ainda recuar nesta decisão, Rui Rio respondeu ter essa expectativa, depois da audição parlamentar prevista para ouvir o deputado Carlos Pereira.

Espero que, em face dessa audição, e se se vier a confirmar que o currículo do deputado não tem nenhuma ligação à energia, o Governo possa dar um passo à retaguarda e escolher uma personalidade da sociedade portuguesa capaz de desempenhar estas funções com a competência que se exige”, apelou.

A comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas aprovou hoje, por unanimidade, o adiamento da audição ao deputado socialista Carlos Pereira, escolhido pelo Governo para a administração do regulador da energia, pretendendo ouvir também o executivo.

Em causa estão requerimentos apresentados pelo PCP e pelo CDS-PP e hoje apreciados na reunião da comissão, pedindo, respetivamente, um adiamento da audição marcada para hoje a Carlos Pereira, bem como uma audição ao ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral.

O Governo escolheu o deputado socialista Carlos Pereira para vogal do Conselho de Administração da ERSE, substituindo no cargo Alexandre Santos, cujo mandato terminou em maio.

A nomeação já teve parecer favorável da Comissão de Recrutamento e Seleção para Administração Pública (Cresap), que considerou que o perfil de Carlos Pereira é “adequado” às funções, visto que “apresenta um perfil académico com licenciatura em Economia complementada com pós-graduações em economia e sociologia rural, planeamento, estratégia e gestão de turismo”.

Além disso, Carlos Pereira “tem experiência profissional superior a 20 anos em cargos de gestão privada e cargos políticos como vereador e deputado na Assembleia da República, onde participou em várias comissões relacionadas com este setor, destacando-se a coordenação da elaboração e discussão de diversos diplomas sobre o setor da energia”, é referido no parecer a que a Lusa teve acesso.