O deputado relator da comissão de inquérito do Novo Banco está disponível para integrar na sua versão do relatório um conjunto de propostas de alteração apresentadas pelos diferentes partidos.

A Comissão Eventual de Inquérito Parlamentar às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução começou hoje a discussão e votação do relatório final e as respetivas propostas de alteração, tendo o deputado relator, o socialista Fernando Anastácio, pedido para intervir no início da reunião, depois de no final da semana passada a sua versão preliminar ter sido muito criticada, concretamente por PSD, BE, PCP e Iniciativa Liberal.

Para facilitar a condução dos trabalhos, eu estarei em condições de informar a comissão de um conjunto de propostas de diferentes partidos com as quais eu me revejo, com as quais eu não tenho qualquer objeção e que, ao as assumir, elas passarão obviamente também a ser, na minha perspetiva, a proposta do relator, também da autoria do relator, sem depois prejuízo do voto que venham a merecer e nesse caso concreto, nessas propostas, nem se justifica fazer a votação ou fazer a apreciação da proposta do relator porque substitui”, adiantou.

Na perspetiva de Fernando Anastácio, esta sua posição “é um contributo para a melhoria, para a consensualização e para o desenvolvimento dos trabalhos”.

Da análise que fez das diversas propostas de alteração, o deputado relator apontou “uma generalidade de propostas” que “em nada contrariam, antes pelo contrário, clarificam, precisam, ajudam a desenvolver alguns temas” da versão por si proposta.

São propostas claramente construtivas e que não se afastam da linha do relator”, enfatizou.

O deputado do PS começou por explicar que estes trabalhos “ficaram um pouco condicionados com um período temporal bastante estrito”.

Aquilo que costuma acontecer antes propriamente de aparecer um relatório preliminar é a possibilidade de haver um conjunto de conversas com os partidos políticos no sentido de ajustar, porque muitas situações são de ajustamento. Não tivemos condição para isso, o espaço que tivemos para isso foi muito reduzido, foram dois dias, e, portanto, não era humanamente possível exigir-se outro comportamento”, justificou.

Negrão apela à aproximação de posições

O presidente da comissão de inquérito ao Novo Banco, Fernando Negrão, apelou hoje a uma “aproximação de posições” entre os deputados para o relatório final porque “há espaço para conversar”, suspendendo os trabalhos até às 15:00 para essas negociações.

Todos nós ouvimos atentamente as várias intervenções feitas e com certeza que podemos chegar a uma conclusão comum. E a conclusão comum é que há espaço para conversar”, afirmou Fernando Negrão (PSD).

O presidente da comissão de inquérito pediu assim aos deputados que “usem bem o tempo” até ao recomeço dos trabalhos “para uma aproximação de posições”.

Há duas formas de pressionar negociações: uma é dar pouco tempo para que rapidamente se chegue a um acordo. A outra é dar muito tempo para que, com calma, reflexão e tranquilidade e até com tempo para almoçar, se possa chegar não direi a um acordo, mas a uma aproximação de posições”, defendeu, manifestando-se “mais adepto da segunda solução”.

A comissão de inquérito ao Novo Banco retomará assim às 15:00.

Agência Lusa / CM