O presidente do PSD afirmou esta quinta-feira que, se estivesse na situação de Rui Moreira, não se recandidataria à Câmara Municipal do Porto, alertando para o “risco” que este corre de ter de “sair pela porta de trás” da autarquia.

Rui Rio defendeu ainda que, no Porto, “há obviamente um entrosamento entre o PS e Rui Moreira”, numa altura em que os socialistas ainda não apresentaram o seu candidato à segunda maior autarquia do país.

O dr. António Costa aposta claramente no dr. Rui Moreira, independentemente da acusação penal ou não, e o PS prepara-se - no caso de o dr. Rui Moreira se recandidatar - para ir a eleições fazendo figura de corpo presente. Na prática, o que dr. António Costa quer é evitar que o PSD ganhe a Câmara do Porto, se é o dr. Rui Moreira ou o PS é absolutamente indiferente”, apontou.

No final de uma audiência com a AHRESP, na sede nacional, Rui Rio foi questionado pelos jornalistas se se recandidataria se, como Rui Moreira, fosse a julgamento no processo Selminho, no qual o autarca é acusado de favorecer a imobiliária da família, da qual era sócio, em detrimento do município.

Rio começou por dizer que era “difícil” responder na qualidade de líder do PSD, mas “fácil” enquanto antigo presidente da Câmara do Porto, que “conhece muto bem o Porto”.

Aí é evidente, na minha forma de ver, eu não iria, mas as pessoas não são todas iguais”, afirmou.

“Conhecendo eu o Porto, a honra, o respeito que as pessoas veem na figura institucional do presidente da Câmara do Porto, correr o risco de, a meio do mandato, pela primeira vez na história da cidade do Porto, um presidente ter de sair não pela porta da frente, mas pela porta de trás, com um tribunal a dizer ‘perdeste o mandato, rua porque cometeste um crime’… é muito mau para o Porto”, afirmou.

O líder do PSD alertou que “isto pode acontecer” e que, segundo a juíza de instrução, “é altamente provável que aconteça”.

Rio recusou responder às críticas que lhe têm sido dirigidas por Rui Moreira, dizendo não as ter ouvido, mas defendeu que o autarca do Porto “desde o primeiro dia em que entrou na Câmara tem um problema pessoal” consigo.

Acontece isso, por vezes, o sucessor começar a denegrir quem antes esteve”, afirmou.

Rio foi ainda questionado pelos jornalistas sobre o encontro que teve, na terça-feira, com a candidata do PSD à Amadora, Suzana Garcia.

Depois de vocês falarem tanto, tanto, na dra. Suzana Garcia, compreenderão que tinha alguma curiosidade em conhecê-la pessoalmente, que não conhecia, e teve oportunidade de me dizer quais são as suas ideias para a Amadora”, afirmou.

Segundo Rio, no encontro até aproveitou para “dar algumas ideias” à advogada na área da reabilitação urbana e de reconversão de bairros sociais, aproveitando a sua experiência enquanto autarca do Porto.

Questionado se pediu à candidata do PSD, que tem sido notícia pelas suas opiniões polémicas em matérias como a castração química ou por ter dito que o BE devia ser “exterminado”, Rio respondeu tratar-se de “uma pessoa inteligente”.

Percebe que a forma como se exprime numa dada circunstância, quando estava na televisão, não é a mesma forma como se deve exprimir noutras circunstâncias”, referiu.

. / JGR