A primeira reunião do presidente do PSD com as distritais decorreu em tom “sereno e cordial” e mais centrada no novo Conselho Estratégico Nacional (CEN) do que na estratégia política do partido, disseram à Lusa fontes presentes no encontro.

A reunião, que arrancou pelas 20:30 de quarta-feira com um jantar e terminou já depois da 01:00, começou com intervenções de Rui Rio e do futuro presidente do CEN, o vice-presidente do partido David Justino, sobre as novas funções deste órgão, que reunirá os porta-vozes do PSD em 16 áreas temáticas e terá por missão preparar o programa eleitoral para 2019.

Nestas intervenções, ambos procuraram afastar a ideia de que o papel das distritais poderá ser secundarizado e apontaram o Conselho Estratégico como “uma oportunidade” para estas estruturas “mostrarem a sua força”.

Na reunião, não foram ainda apresentados quaisquer nomes de porta-vozes ou coordenadores, com Rui Rio a justificar que só será feita essa divulgação quando estiverem todos escolhidos.

Seguiu-se uma ronda pelos 19 presidentes de distritais, sem que tivessem sido levantadas objeções de fundo às novas funções do Conselho Estratégico, cujas secções temáticas nacionais poderão ser replicadas à escala local.

No regulamento distribuído na reunião refere-se especificamente que a responsabilidade da criação e organização das secções temáticas locais ficará a cargo dos presidentes das distritais.

À Lusa, alguns presidentes de distritais notaram que a reunião foi “pouco política” e que não foi discutida a posição do PSD em temas relevantes da atualidade, esperando que esse debate se possa fazer no Conselho Nacional marcado para a próxima terça-feira, no Porto.

Também um dirigente distrital mais próximo de Rui Rio remeteu esse debate político para o Conselho Nacional e considerou que, depois do encontro de hoje à noite, o partido “entrou em velocidade de cruzeiro”.

Segundo a mesma fonte, o nome do novo secretário-geral, José Silvano, presente na reunião, foi acolhido “em tom muito cordial” pela generalidade dos presidentes distritais.

De acordo com os estatutos do PSD, José Silvano, que já está em funções desde 19 de março, terá ainda de ser eleito na reunião do Conselho Nacional.

Na sua intervenção inicial, Rui Rio referiu-se ainda ao anterior titular deste cargo, Feliciano Barreiras Duarte, reiterando a sua posição de que houve “uma desproporção” na polémica que levou à sua demissão, na sequência de notícias sobre irregularidades no seu currículo e sobre uma alegada falsidade na morada que indicou no Parlamento.

Este encontro com as distritais realizou-se nos termos previstos pelos estatutos do PSD, que determinam que “o presidente da Comissão Política Nacional e o secretário-geral reúnem, ordinariamente, de dois em dois meses, para articulação política de matérias de âmbito geral e distrital, com os Presidentes das Comissões Políticas Distritais”.

Rui Rio foi eleito presidente do PSD em 13 de janeiro em diretas e empossado no Congresso realizado entre 16 e 18 de fevereiro, em Lisboa.

/ SS