O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou, esta segunda-feira, que o Governo não sai beneficiado da crise energética, por alegadamente ter assumido uma postura "eleitoralista e não de serviço ao cidadão".

Em Caminha, à margem de uma visita à exposição Arte da Leira, na Serra d'Arga, Rui Rio acrescentou que "uma grande parte do problema existiu" porque o Governo estava fixado nas legistativas de 06 de outubro.

Não acho nada que o Governo saia beneficiado", sublinhou, frisando que o conflito poderia "seguramente" ter sido resolvido mais rapidamente.

Além disso, disse que "uma greve nunca beneficia os portugueses" e "o Governo só deve sair beneficiado quando os portugueses saem beneficiados".

Para o líder do PSD, o problema prolongou-se porque o Governo quis tirar "benefícios eleitorais", optando por "servir o PS" em vez de servir o país.

Ficou claro que grande parte do problema existiu porque o Governo se aproveitou do problema para tentar benefícios eleitorais", afirmou.

Para Rio, o Governo optou pela "dramatização" e por "montar um circo" à volta da greve dos motoristas de matérias perigosas, tendo-se colocando do lado da entidade patronal, em detrimento dos motoristas,

O que o Governo tentou, foi à custa da greve dos motoristas, tirar popularidade para si próprio (?).Quando abandonou essa postura e se tornou um bocado mais isento, em 48 horas a greve terminou", disse ainda.

Para Rio, o Governo "não estava interessado em resolver mais cedo" o conflito, mas quando a greve se começou "a agudizar, teve de recuar e assumir uma posição equidistante".

O líder do PSD disse que o Governo "estava completamente articulado com a entidade patronal para ter dividendos eleitorais".

Era o Governo a servir o PS e não a servir o país", apontou.

O primeiro-ministro anunciou a intenção de declarar o fim da crise energética, decretada há nove dias, pelas 24:00 de hoje, assim como extinguir a Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA) exclusiva e aumentar o limite máximo de consumo de combustível pelos particulares para 25 litros, a partir das 10:00.

O Governo não era parte neste conflito, portanto não ganhou nem perdeu. Cumpriu a sua função de assegurar que o país respeitasse o direito à greve que era fundamental respeitar e que, por outro lado, pudesse continuar a funcionar dentro da normalidade possível. Foi um grande sinal de maturidade do país", disse, fazendo agradecimentos aos serviços públicos "que contribuíram para o planeamento", às Forças Armadas e forças de segurança "pelo serviço extraordinário" e aos parceiros sociais por "ultrapassarem o conflito e chegarem a nova fase de diálogo".

O Conselho de Ministros declarara em 9 de agosto a situação de crise energética, para o período compreendido entre as 23:59 desse dia e as 23:59 de 21 de agosto, para todo o território nacional.

A situação de crise energética teve como objetivo garantir os abastecimentos energéticos essenciais à defesa, ao funcionamento do Estado e dos setores prioritários da economia, bem como à satisfação dos serviços essenciais de interesse público e das necessidades fundamentais da população durante a greve dos motoristas.

Foi também constituída a REPA, integrando postos de abastecimento exclusivo para entidades prioritárias e veículos equiparados, como Forças Armadas, forças de segurança, proteção civil, emergência médica ou transporte público de passageiros e uma rede para abastecimento público com bombas abertas ao público em geral, mas com restrições na quantidade de abastecimento.

A greve dos motoristas de pesados começou em 12 de agosto por tempo indeterminado. Quinta-feira, o Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM) desconvocou a paralisação, mas o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas manteve-a e só a desconvocou o protesto domingo, após um plenário de trabalhadores.

Para a próxima terça-feira está marcada uma reunião no Ministério das Infraestruturas e Habitação, em Lisboa, para a retoma de negociações entre a associação patronal Antram e o SNMMP.

Rui Rio quer entendimentos sobre "grandes questões nacionais" mas só depois das eleições

O líder do PSD, Rui Rio, afirmou que os partidos devem procurar entendimentos sobre as "grandes questões nacionais", mas só depois das eleições legislativas de 6 de outubro.

Em Caminha, distrito de Viana do Castelo, à margem de uma visita à exposição Arte na Leira, na Serra d'Arga, Rio sublinhou que num ano com três atos eleitorais não há "espaços para entendimentos".

Acho que os partidos, sejam quais forem, PS PSD, PCP, CDS, devem procurar entender-se sobre o que são as grandes questões nacionais. Agora, há um momento para tudo, não é a mês e meio de eleições ou particularmente num ano como 2019 em que tivemos eleições europeias, temos eleições regionais e temos eleições nacionais que há espaços para entendimentos", referiu.

O líder do PSD, que falava aos jornalistas, respondeu desta forma a uma pergunta sobre se esta noite, se se cruzar com o primeiro-ministro em Viana do Castelo, o iria criticar pessoalmente pela alegada atuação "eleitoralista" do Governo durante a crise energética.

Mesmo que eu o encontre, não há nenhum entendimento para fazer neste momento", disse ainda Rui Rio.

O primeiro-ministro, António Costa, e o líder do PSD estão esta noite em Viana do Castelo, para assistir à confeção dos tapetes floridos por onde na quarta-feira vai passar a procissão ao mar, um dos momentos mais emblemáticos da Romaria d'Agonia.